Pages

Ads 468x60px

.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A Família Protegida Por Deus.

Sermão:
A família protegida por Deus.
Texto Base: Gên. 7.11- 13
Pastor Silvano da Silva Reis.



Introdução.

Estamos vivendo dias difíceis como nos tempos de Noé.
“Pois assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam-se e dava-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não perceberam até que veio o dilúvio.” (MT. 24.38)

 I – Como era nos tempos de Noé? Cap. 6

1. Os homens viviam muitos anos. Geralmente mais de 300 anos.
2- Os filhos de Deus se envolveram com as filhas do homem. (Gen.6.2).
3- A maldade do homem se multiplicava. (6.5).
4-A terra estava cheia de violência. (6.11).
5- Poucos adoravam a Deus de coração. (6.9).

II – Como acontece nos dias de hoje.

1-     Os homens estão vivendo mais. * Já observou que a média de vida do homem de hoje ta aumentando.
2-     A violência esta geral
3-     A maldade se multiplica a cada dia
4-     Os crentes cada vez se casam mais com não crentes
5-     Poucos querem viver sua vida em santidade.

III- A intervenção de Deus nesta história.

1-     Deus dá libertação para aqueles que eram justos diante dele. (Gên. 7).
2-     Deus dá a benção a Noé e seus filhos. (Gên. 9)
Teor da benção:  1- Que fossem frutíferos. Fecundos, e não estéreis
3- Teriam domínio sobre todos os animais na terra
4- Permitiu ao homem comer de todo tipo de alimento tanto vegetal como animal com exceção do sangue.

Conclusão:
Assim como aconteceu nos dias de Noé acontece nos dias de hoje.
Nos dias de Noé uma mensagem foi anunciada e muitos não aceitaram e perderam suas vidas.
Nos dias de hoje a mensagem de Cristo é anunciada e muitos não aceitam e perdem suas vidas.
Nos dias de Noé muitos foram punidos pelo pecado, nos dia de hoje também.
Nos dias de Noé uma família foi salva porque acreditou que a salvação era possível, aceitaram como verdadeira a palavra de Deus.
Como naqueles dias, hoje sua família também pode ser salva, basta aceitar a arca que esta passando, Jesus.


0 comentários:

Postar um comentário